Pesquise Aqui

sábado, 12 de agosto de 2017

Bucólico

Bucólico.

Era assim, como um dia de manhã, de sol
E as nuvens brancas que bailavam pelo céu
Era assim, quando os amantes se viram
Olharam-se
Mas, oh
Eis que a visão se turva
E os amantes que tanto se olharam
Não mais se enxergavam
Triste sina a dos separados
Que, após o doce Sol
Provaram do amargo da saudade...
Seguir em frente?
Olhar para trás?
Onde estará aquele olhar?
Se um pouco de tudo se esvaece
Por detrás dos morros que sussurram e choram
As lágrimas verdadeiras não vistas
Ignoradas como águas que se derramam
Gota a Gota
Era para ser um sonho
Mas eles acordaram
Vivem agora, sobrevivem
Sabe-se lá... até quando?
(por: Juliana Barreto). 2013.

domingo, 6 de agosto de 2017

Si




Si
Se um dia esse dia chegasse
E se os olhos que disfarçavam
Olhassem 
E se a direção fosse a mesma e não outra 
E se tudo convergisse 
E se as pessoas não mais olhassem 
E, acaso olhassem, aprovassem 
E se aquilo que outrora bateu em meu peito 
Se repetisse 
Propagasse 
E ecoasse 
Um eco louco não pouco 
Naquele gelo que você chamava de coração 
Ah se esse dia um dia houvesse
Se eu houvesse de lhe entregar 
Mais uma vez e muito 
O que um dia eu chamei de amor!
E se você visse 
Se você ouvisse 
Se você quisesse 
Se eu quisesse arriscar 
E sempre arrisco 
Se tudo não passasse um dia
De uma amarga lembrança 
Se não tivesse sido 
Se houvesse cabido 
Se não fosse um som tão rouco
E se eu não chorasse 
Tanto
Se olhar para o além não causasse tanto pranto 
Se eu ainda fosse capaz 
De amar 
Como um dia amava 
Como outrora sonhava 
Como dantes sentia
E se esse dia um dia acontecesse aqui assim 
Desse jeito
Com esse efeito 
Devastador assustador 
De causar medo
Ah! Que bom seria!
Imaginá-lo não mais ia!
Senti-lo-ia
Na pele na alma 
No coração 
No Todo
Que sou eu e que sou você quando estamos juntos. 
Se um dia esse dia chegasse 
E se sonho não mais fosse 
Mas vontade ainda houvesse 
Ah
Que bom que não fosse 
Só vontade
Que bom se desse!


Juliana Barreto
Pirapora, 06/08/2017 



sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Esperar mais que o possível, querer mais que o provável, ter menos que o merecido, sofrer mais que o necessário......................
Que após a mágica desvendada, após o cálice derramado,após a dúvida respondida,após a festa de boas-vindas...ainda haja o que ser comemorado E que mais do que poucas palavras,haja ações,mesmo que impróprias,mesmo q anônimas,mesmo q ocultas pelo sono da noite q traz boas lembranças
O pouco provável é saber viver o mínimo após ter saboreado o máximo;fingir não sentir após ter vivido o sentimento;ser amigo após saber amar E talvez conseguir deixar que uma onda me leve bem leve ao fundo do mar e me traga de volta rumo à beira da realidade!!! Passar a chorar sem lágrimas e sem motivos,deixar para trás o ruim e o mal vivido, fazer do que resta algo que tenha sentido.
Se olhar em meu coração verá o sangue que ainda me resta; se olhar em meus olhos verá a imagem que ainda me testa; se mergulhar em minha boca.... ouvirá a mais pura verdade que não se contesta...........te amo!

A dúvida que corrói está entre o lutar inutilmente e a mesmice de aceitar silenciosamente.... o nada.